sábado, 16 de abril de 2011

Natal está de volta ao quadro de municípios filiados à FEMURN

14/04/2011


A capital do Rio Grande do Norte está de volta aos quadros de filiados à Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte. O retorno de Natal, após quatro anos de ausência, foi selado hoje ao final de visita de dirigentes da entidade à prefeita Micarla de Sousa, em seu gabinete, no Palácio Felipe Camarão.
O convite foi feito pelo presidente da FEMURN, Benes Leocádio, que visitou a prefeita na companhia de outros prefeitos e dirigentes municipalistas: Jackson Bezerra (prefeito de Afonso Bezerra), Júnior Lucas (prefeito de São Bento do Norte e presidente da Associação dos Municípios das regiões Central e Litoral Norte-AMCEL) e Marcos Aurélio Rego (prefeito de Riacho da Cruz e presidente da Associação de Municípios do Oeste – AMORN).
No encontro, os dirigentes da FEMURN e a prefeita de Natal discutiram longamente sobre a difícil realidade dos municípios e estratégias de luta comum para se superar os obstáculos. A prefeita, que é vice-presidente para o Nordeste da Frente Nacional de Prefeitos, e Benes Leocádio, que é vice-presidente Confederação Nacional dos Municípios, entendem que é hora de somar esforços para fortalecer o movimento em defesa dos municípios, que há anos enfrentam uma crise financeira sem precedentes na história recente do País.
Questões como a dificuldade dos municípios de pagar o piso salarial nacional dos professores, a redistribuição dos royalties, o financiamento da Saúde e a implantação de mecanismos de recuperação da arrecadação municipal foram discutidas pela prefeita e os dirigentes da FEMURN. Uma visita da prefeita à sede da entidade será agendada para marcar o retorno da capital ao quadro de filiados.


Fonte: FEMURN - Federação dos Municípios do RN

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Hospital dos Pescadores passa por pequena e importante reforma

Elizama Batista, Ex-Secretária Adjunta de Saúde, Gerente do distrito Sanitário Leste, e várias outros cargos importantes na Secretaria Municipal de Saúde é muito competente e esperiênte, é uma pessoa muito dedicada e está sempre presente nas horas das desisões.
O Hospital dos Pescadores hora dirida por ela e na companhia de Kleiber Radrigues adminstrador que também entre outros cargos já foi Dirtor da Unidade Mista de Pajuçara e Coordenador do SAMU, vai com certeza viver uma das grandes adminstrações vividas naquele Hospital, desde que lhes dê condições.
Para começar o Hospital já apresta-se de cara nova com pintura e climatização, ganhou as chamadas "poltronas do papai" para os pacientes em que estão sendo adminsitrados soros.
O Serviço de Radiologia ganhou para a sala de laudo um ar condicionado transprtável "sprint" e por ai vai , alé de estar funcionando muito bem.


Parabéns aos novos administradores e desejamos boa sorte.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Dia do Hino Nacional brasileiro


Ele foi tocado pela primeira vez em 1831 e só em 1909 ganhou a letra de Joaquim Osório Duque Estrada.
Em 300 anos de história, o Brasil a rigor não teve hino algum que fosse seu. Também em Portugal, até o século XVIII, só se cantava o Hino do Rei, que era mudado toda vez que morria um monarca. Pois o Brasil, mesmo depois de sua independência, por nove anos viveu sem hino.
A história do Hino Nacional Brasileiro é pouco divulgada e geralmente se limita a uma breve referência aos autores da letra e da música. No entanto ela é riquíssima e reflete os momentos mais importantes de nossa História.

Hino Nacional Brasileiro

I

Ouviram do Ipiranga às margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante,
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da Pátria nesse instante.

Às margens plácidas (mansas) do (Riacho) Ipiranga, ouviram o brado retumbante (impetuoso, forte) de um povo heróico,
e, nesse instante, o sol da liberdade brilhou
em raios fúlgidos (resplandecentes) no céu da Pátria.

Se o penhor desta igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó Liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!

Se conseguimos conquistar com braço forte
o penhor (compromisso, a garantia
) dessa igualdade
o nosso peito desafia a própria morte, em teu seio, ó liberdade.

Salve! Salve!
Ó Pátria amada
Idolatrada.

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do Cruzeiro resplandece.

Brasil, um sonho intenso,
um raio vívido (ardente)
de amor e de esperança à terra desce,
se a imagem do Cruzeiro (Constelação austral, característica de nosso hemisfério) resplandece
em teu formoso céu risonho e límpido (limpo).

Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.

Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

Gigante pela própria natureza,
és belo, és forte, (és) impávido (destemido)
colosso (de enormes dimensões),
e essa grandeza espelha o teu futuro.
Brasil, ó Pátria amada,
és tu, terra adorada,
entre outras mil!
Brasil, Pátria amada,
és mãe gentil dos filhos deste solo!

II

Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!

Deitado eternamente em berço esplêndido (deslumbrante, cheio de riqueza),
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras (cintilas), ó Brasil, florão (preciosidade) da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!

Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;
"Nossos bosques têm mais vida",
"Nossa vida" no teu seio "mais amores".

Teus risonhos(e) lindos campos têm mais flores do
que a terra mais garrida (mais alegre, faceira).
No teu seio, nossos bosques têm mais vida, e nossa
vida (tem) mais amores.

Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro desta flâmula
- Paz no futuro e glória no passado.

Brasil, o lábaro estrelado (a bandeira com as estrelas),
que ostentas (exibes com orgulho)
seja símbolo de amor eterno
e o verde-louro desta flâmula
(verde e amarelo desta bandeira) diga:
- Paz no futuro e glória no passado.

Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.

Mas, se ergues a clava forte (arma pesada) da justiça,
Verás que um filho teu não foge à luta,
(verás que) quem te adora, não teme a própria morte.

Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

Brasil, ó Pátria amada,
és tu, terra adorada entre outras mil.
Brasil, Pátria amada,
és mãe gentil dos filhos deste solo.